Experiências fotográficas em filme e outras analogias...

Experimente o foco suave como (d)efeito especial desse adaptador fisheye1

Que tal criar um clima de sonho e de viagem usando um defeito de um adaptador para fisheye como se fosse um efeito? Descobri esse (d)efeito especial sem querer usando esse adaptador fisheye na minha pentax com lente f/1.4 e filme preto e branco. No colorido não fica tão divertido por causa das aberrações cromáticas.

É claro, existem outras maneiras de chegar nesse efeito, inclusive com filtros com muito mais qualidade ótica e que vão comer bem menos luz que esse, mas como sempre, é o que tenho disponível na maleta de tranqueiras fotográficas e estava a disposição na hora que sai para fotografar.

Adaptador Fisheye antigo, vendido pela Lomography. Tem fácil no ebay ou similares.

A câmera que usei foi a minha pau-pra-toda-obra Pentax MX, com a única lente que tenho para ela, uma 50mm f/1:1.4 SMC e um filme Fortepan 100 bem porqueira, revelado por mim mesmo usando químicos pra lá de vencidos.

A ideia inicial era usar esse adaptador fisheye na minha lente 50mm para transformá-la em algo em torno de 21mm e ter uma opção grande angular já que só tenho uma única lente para a minha Pentax MX. seu fator de multiplicação é 0.42, ela transforma uma lente 50 numa grande angular. E uma grande angular numa fisheye.

Só que ninguém me falou de algumas limitações desse adaptador em particular, principalmente relacionado a grandes aberturas usadas na lente da câmera. Se eu usar uma abertura f/22, por exemplo, fica tudo tranquilo e em foco, mas se escolher aberturas mais amplas, como a máxima f/1.4 da minha lente, cria uma névoa de desfoque em torno da imagem, como se fosse aqueles filtros de foco suave dos anos setenta.

Mas isso só descobri depois que revelei o filme preto e branco. Foi uma grata surpresa, ao invés de estragar completamente meu filme, aconteceu exatamente o contrário, olha só que coisa?

Fica a dica, quando usar adaptadores xingling espere por maluquices, nem sempre são bem feitos e seus defeitos, se bacaninhas, podem ser tratados como efeitos.

O que mais vale é a experimentação.

Mas vamos ao que interessa, as fotos:

Publicado originalmente em lomography.com.br/homes/dux_x

Leia mais:

Artigo anteriorEdwin Land e sua revolucionária Polaroid na Life Magazine em 1972 Próximo artigoRevista Foto Inversa - Fotografia Pinhole - 3ª Edição

Assinar Blog por Email

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber a newsletter com notificações de novas publicações por email.

O que você acha?

Nome obrigatório

Website