Experiências fotográficas em filme e outras analogias...

Atualização: A Kodak abriu mão de continuar fabricando filmes, colocando sua divisão de filmes fotográficos a venda. Infelizmente, agora é correr e comprar o que tem ainda no mercado e torcer para aparecer alguém pra ficar no lugar dela. Alguém quer fazer uma vaquinha?

Essas notícias da concordata da Kodak tem dado nos nervos ultimamente, já que meu filme predileto é Kodak. Mas li no Peta Pixel que a Kodak, segundo seu Diretor de Marketing Audrey Jonckheer, ainda continua comprometida com o fornecimento de filmes para fotografia e cinema. Pelo menos enquanto houver demanda e o mercado ser lucrativo.

Entendeu o recado? Ele quer dizer que depende da gente que gasta com filmes Kodak (e com revelação e impressão da Kodak) a continuidade da produção de filmes! Parece que o problema é na divisão de fotografia, que anda mal das pernas. Por isso eles devem se livrar disso (junto com algumas patentes) e focar em impressão e manter a produção de filmes. Então o negócio é comprar mais e mais filmes Kodak e manter a brincadeira analógica fervendo.

No Britsh Journal of Photography tem um ponto de vista sensacional do que a Kodak deveria fazer para se reerguer, que seria assumir de vez seu valor histórico e se firmar como a maior autoridade atual sobre fotografia analógica. Poxa vida, foram eles que introduziram a fotografia na vida das pessoas comuns! Seria, a meu ver, questão de honra para a Kodak se colocar como líder do segmento de fotografia analógica.

Torço realmente para que a Kodak fique esperta e saia dessa garantindo pra gente um monte de novos e maravilhosos filmes, papéis e químicos para que a fotografia analógica não vire definitivamente uma peça de museu.

Leia mais:

Artigo anteriorOrganize-se: muitos filmes + muitas câmeras = altas confusões Próximo artigoFotógrafos posam com suas fotografias mais famosas

Assinar Blog por Email

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber a newsletter com notificações de novas publicações por email.

1 comentário

  1. hratch diz:

    Seria uma ótima notícia. Mas aqui nesse país de consumo fácil, em que só se preza a última novidade (ilusão), o consumo de filmes, de certo, acabará, como acabou o disco de vinil, dado a falta de sensibilidade para compreender o que, verdadeiramente, é arte, história e qualidade. Só não sei quanto tempo mais teremos o privilégio de usar filme.

O que você acha?

Nome obrigatório

Website