Experiências fotográficas em filme e outras analogias...

Voltando no tempo, algum momento entre 2002 e 2003 comprei minha primeira câmera da Sociedade Lomográfica. Uma cybersampler, que na verdade é a mesma coisa que actionsampler, só que cromada.

Naquela época já estava envolvido com toda essa parafernália de lomografia e ainda buscava a minha lomo lc-a, que só fui conseguir tempos depois (e isso é uma outra história). Paguei caro, importação com imposto e dólar lá em cima. Mas tudo era alegria com a bichinha.

Foi o início de uma época em que gastava 4 rolos de filme a cada 15 dias. E ampliava cada fotograma errado, experimentando. E Experimentos vem, experimentos vão e, durante o processo de (des)aprendizagem fotográfica com a lomografia, dei os primeiros passos rumo a gambiarra quando ela quebrou a mola do obturador. Abri, consertei, e peguei o vírus da gambiarra (ou acordei um que estava latente, hibernando).

Foi com ela que ganhei a primeira lomohome do dia que rendeu a minha primeira supersampler (a essa altura já tinha a holga também, mas nada da LC-A). Aí, depois de um monte de filme batido, enjoei. Vendi câmera. Foi o início da bagunça :).

[continua em breve]

Leia mais:

Artigo anteriorNão tenha medo do blur Próximo artigoBlogs voltaram ao site da Sociedade Lomográfica

Assinar Blog por Email

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber a newsletter com notificações de novas publicações por email.

O que você acha?

Nome obrigatório

Website