Experiências fotográficas em filme e outras analogias...

Todo mundo que curte experimentar e já se sentiu tentado a usar uma câmera lomográfica sentiu vontade de conseguir cores estranhas, diferentes ou até impossíveis usando essas câmeretas malucas. Aliás, as cores exageradas e divertidas são parte do marketing da Lomografia, que exalta o uso de filmes posivos revelados como negativos para pirar nas cores, o famoso Revelação ou Processo Cruzado (ou Xpro para os íntimos).
Mas quem corre atrás de cores incríveis pode (e deve) descobrir que a maioria das vezes isso é culpa dos filmes e seus processos de revelação. Mas não deve parar por aí, muitas vezes as cores incríveis estão no mundo real esperando um belo negativo comum para mostrar toda sua beleza.

Eu sempre falo que não gosto de processo cruzado, por usar filmes mais caros (os tais chromos) ou por exigirem da revelação e ampliação muito mais carinho e dedicação. E isso é muito raro de achar em laboratórios que ainda revelam filmes analógicos. Mas quem disse que só nos filmes cruzados (o bom e velho chromo ou slide revelado como negativo) vivem as cores exageradas?

Meu filme predileto é um negativo da linha profissional da Kodak, o Proimage 100. Gosto muito dele e por razões bem práticas:

  • Barato, mais barato que um kodak comum (vai entender)
  • Era relativamente fácil de achar, quase todo lab vendia os pacotes com 5
  • Tem cores bem balanceadas e é ótimo para retratos, resulta em tons de pele agradáveis
  • O rolo é simples, amarelo e preto, perfeito para rebobinar e escrever o nome do novo filme com caneta de escrever em CD

O mais legal é que ele se comporta super bem em qualquer condição de luz, mas quando exigido ao extremo se comporta bem mal, no melhor sentido da expressão!

Ele ai muito bem em situações de luz extremas como eventos a noite, em longas exposições, ao ser puxado, etc. Enfim, é um pau para toda obra. E que cores lindas quando forçado!

O que mais curto é usar em longas exposições onde temos todo tipo de temperatura de cor ou gelatinas coloridas, como em festas e eventos, olha só esse exemplo de uma festa na Augusta:

[lomo lca proimage]

[lomo lca e proimage]

Fiquei surpreso com o resultado de deixar o filme “cozinhando” dentro do carro, escondido sob o parasol, durante mais de 1 mês:

ProimageNoSol: Year

ProimageNoSol: Good

ProimageNoSol:  Jogos Mortais II

ProimageNoSol: Sinal

E claro, na luz do dia, sem frescuras nem firulas, simplesmente clicado em ISO 100:

cenário

a curiosidade ...

encarcerada

Detalhe: todas as imagens acima foram reveladas normalmente, em laboratórios simples como de shopping desses de 1 hora. O segredo é manipular o filme na hora de fotografar, escolher bem uma boa câmera (as de lente de plástico funcionam melhor com chromos virados negativo no processo cruzado, vai por mim) e partir para o abraço!
Outra coisa, usei em todas uma Lomo LC-A velha, de 1985 que já está caduca, mas ainda se segura.

Então, quando ver aquelas imagens com cores malucas ou muito incríveis, lembre-se que pode ser apenas um filme negativo, comum, exigido ao máximo das suas qualidades. Não seja preconceituoso em relação a filmes!

Leia mais:

Artigo anteriorFilme 135 em câmeras 120 usando um adaptador handmade Próximo artigoEntrevista LomoAmigo? Quem, eu?

Assinar Blog por Email

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber a newsletter com notificações de novas publicações por email.

O que você acha?

Nome obrigatório

Website