Experiências fotográficas em filme e outras analogias...

Conheça a vida de retratistas que vivem a fotografia roots e esqueça um pouco de megapixels ou medidas de teleobjetivas.

Um filme de Joe Pimentel, com fotografia e assistência de direção de Tiago Santana, e pesquisa e produção de Valéria Laena.

(via @paulosampa, RicardoMoura)

Leia mais:

Artigo anteriorThe Camera Collection, uma coleção de ícones de câmeras Próximo artigoPra fotografar: #Local Complexo de prédios da CTI em Taubaté/SP

Assinar Blog por Email

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber a newsletter com notificações de novas publicações por email.

1 comentário

  1. Sou nordestino e me identifiquei muito com as representações sociofotográficas e afetivas típicas presentes neste vídeo. Desde muito jovem gosto de fotografia. Lembro que na adolescência precisei “juntar um dinheirinho” para comprar um film P&B de primeira e depois “juntar mais um dinheirinho” para revelá-los juntamente com as fotos. Mas para além da pobreza que reinava em alagoas na década de 80 eu pude apreciar os resultados da minha primeira experiência fotográfica não convencional. Hoje adoto a fotografia analógica como parte do meu ser e estar no mundo, muito mais porque ela está sumindo aos poucos, e eu farei o possível para que isso não aconteça.

O que você acha?

Nome obrigatório

Website