Experiências fotográficas em filme e outras analogias...

Desmistificando o pau de selfie

O vilão da fotografia popular em 2014 foi o selfie. Pra mim, além de não ser mais do que uma redução da palavra selfish (egoísta), esse novo nome para o autorretrato reduziu o ato de fotografar a si mesmo a uma forma narcisista de autopromoção desavergonhada. Agora o vilão de 2015 parece ser o extensor de câmera ou Selfie Stick (conhecido carinhosamente como pau de selfie no Brasil).

Mas, diferente do que a maioria acha, o vilão não é o tal pau e sim as pessoas que fazem as fotografias. Sem entrar no mérito da qualidade artística das fotos e do fotografar a si mesmo como uma espécie bem babaca de auto afirmação, o pau de selfie seria o ponto mais alto dessa subida vertiginosa da sociedade de exposição que nos tornamos.

Só que não. Pelo menos é o que eu acho.

Então, deixando de lado o mimimi vamos ver o que podemos fazer com essa ferramenta, esse famigerado pau de selfie, que até parece ser uma ótima ideia. A propósito, a partir de agora só escrevo autorretrato no lugar de selfie e bastão de autorretrato no lugar de pau de selfie, a palavrinha mais chata que inventaram para sacanear um jeito interessante de se fotografar, tá?

Autorretrato é tão velho quanto a arte

Já discuti isso por aqui, o autorretrato é uma forma de expressão do próprio artista, para se eternizar em sua obra, para estudo ou simplesmente por ser o modelo mais barato e sempre disponível que você jamais encontrará por aí.

Autorretrato no espelho, até os fotógrafos famosos fizeram

Muitos ja fizeram, das mais diversas formas, com ou sem talento, mas a forma que mais gosto e uso é através de espelhos onde posso mostrar mais o equipamento, numa forma de registrar qual câmera foi usada na foto e também, de quebra, gerar imagens para usar como avatar em redes sociais (sim, eu fazia isso bem antes de ter uma digital, foto de perfil em filme!).

Pau de selfie ou extensor de câmera para autorretrato

Também não é uma invenção moderna, criada por e para uma geração de moleques criados a leite com pera. Está aí desde que alguém achou que deveria aparecer na foto e não tinha um cabo disparador disponível, mais ou menos desde 1926 sempre. Depois em 1995 ressurgiu no japão (claro), foi patenteado por um cara em 2002 e depois dele mostrar pros chineses que copiaram a exaustão chega em 2014 tomando o mundo de assalto e se tornando um caso de amor e ódio nas redes sociais.

1_Selfie_1926
Suposto primeiro autorretrato com bastão, mas aqui tá mais para bastão disparador de foto.

extensor-mesmo
Esse aqui é genial, bem Inspetor Bugiganga! Via @finnern

pau-de-selfie-1995
E a versão japa de 1995. Muito chique e romântico, não? Via @RayRayAfrika

Se bem usado, é tão boa ferramenta quanto o bom e velho tripé. Aliás, ele seria um monopé, só que ao invés de apoiar no chão você segura a ponta e levanta a câmera até o alto. Então qual o problema? Nunca vi ninguém tretando por causa do uso do tripé. Todo mundo curte um tripé, ainda mais aqueles moderninhos, como o Gorillapod e suas pernas de bolinhas que se agarram em qualquer lugar!

Dicas

Uma dica boa: evite deixar o bastão aparecer na foto. Fica realmente feio e parece que você tá segurando um cabo de vassoura. É equivalente a fotografar com o dedo na frente da lente. Um ajuste no enquadramento corrige isso, nunca é bom deixar o pau aparecendo nas fotos.

Outra dica boa: evite os excessos. Se toda foto você precisa aparecer segurando um bastão tem algo errado aí, vale a pena dar uma olhada se dá pra melhorar o temas. Estamos falando de fotografia, quem sabe de arte, não aquele clique descompromissado de turistão. Mas cada um, cada um, claro.

Vantagens do bastão extensor de câmera

  • Evita entregar sua câmera para terceiros
  • Garante que mesmo sem grande angular você não fique com a cara de quem está esticando o braço ao ponto de arrancá-lo do ombro
  • Você pode medir o “dito cujo” e saber exatamente a distância para o foco ficar perfeito em câmeras manuais
  • Você pode usar o timer da câmera ou um timer analógico no botão disparador
  • Pode usar como monopé
  • Mais leve que um tripé
  • E Pode dar na cabeça de quem reclama de você usar o extensor

Vídeo

Enfim

Sem ficar pagando de pai das regras, vamos olhar para as ferramentas e achar o potencial uso bacana delas, não ficar culpando objeto pela enxurrada de fotografias qualquer coisa que surge por aí. E vamos nos divertir com a fotografia? O mundo já anda muito chato com ou sem pau de selfie…

Certinho?

Leia mais:

Artigo anteriorTutorial de macro com tubo extensor quase de graça Próximo artigoPad of Death, o infame problema da Yashica Electro 35

Assinar Blog por Email

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber a newsletter com notificações de novas publicações por email.

1 comentário

  1. Roger diz:

    Otimo!! Ate que enfim um texto consistente sobre o infame (??!) “pau de ego”…Abs!! Ps. Tb sou um grande fan das Pentax SLR :))

O que você acha?

Nome obrigatório

Website