Experiências fotográficas em filme e outras analogias...

Puxando o Filme - DXFoto

Um dos truques fotográficos mais bacanas. Mas que diabo é puxar o filme? Na verdade, você não puxada nada. É uma alteração do tempo ou temperatura ao revelar para alterar a imagem que está no filme. Em inglês, PUSH seria empurrar a temperatura ou o tempo pra cima, para compensar uma subexposição do filme, como, por exemplo, bater um filme ISO 100 como ISO 400, assim aumentando o contraste da imagem.

Já o PULL seria baixar a temperatura (ou o tempo) na revelação para compensar uma superexposição do filme ou então explorar artisticamente a queda de constraste resultante, por exemplo um filme ISO 400 batido como ISO 100.
Aqui no Brasil simplificamos para “puxar” tanto pra cima quanto pra baixo a revelação, para fazer os mesmos efeitos do PUSH e PULL.

Lembre que isso serve para câmeras que tem a regulagem de ISO e são automáticas ou tem fotômetro. No caso de câmeras como a Holga, que só tem uma abertura e uma velocidade, não tem como controlar isso e você usa a escolha do ISO do filme para o que você vai fotografar. Mas isso é coisa para outro artigo.

Nestes exemplos eu peguei um filme ISO 100 da Kodak, o proimage, bati com a câmera regulada para ISO400 e mandei “puxar” para 800.

O filme ISO 400 é mais sensível exigindo menos luz para ser sensibilizado. Então meu filme ISO 100 fica sub-exposto. Para corrigir isso podemos “puxar” a revelação e ter uma imagem correta no final.

Mas a graça é exagerar. Há um aumento de contraste quando puxamos mais do que devíamos. Nesse caso, puxei para 800 ao invés de 400. Legal né?

Mas se quiser se divertir (e tiver acesso ao lab profissa, daquele que faz manual) peça para o laboratório puxar dois ou três pontos no seu negativo batido normalmente. Se eles corrigirem corretamente na hora de ampliar (ou de scanear) você vai ter uma imagem super constrastada. Não sei quem gostaria de pedir para fazer o inverso, diminuir o tempo (ou temperatura) da revelação pra deixar a imagem menos contrastada, mas também é um caminho.

O legal é experimentar!

Mais fotos

Links

Veja algumas outras fotos na minha lomohome ou no meu flickr.

Leia mais:

Artigo anteriorMacro ao alcance de todos Próximo artigoRevelação Cruzada, ou XPro

Assinar Blog por Email

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber a newsletter com notificações de novas publicações por email.

15 comentários

  1. leo diz:

    ok! mas e como se dá o processo de revelação? no exemplo da tua foto, acima, tu revelou a mesma como se fosse um 800?!

    valeu!

    le clic…

    liu.

  2. julio diz:

    Exatamente, Leo, revelação manual puxada pra 800.

    Valeu a visita!

  3. Drika diz:

    Juliooooo, a foto ali em cima não tá aparecendo =(

  4. julio diz:

    Muitíssimo bem observado. Vou ali chicotear o servidor de imagens e subir uma no lugar… já já volta ao normal!
    Brigado!

    Editado: Pronto, está corrigido. Valeu o toque!

  5. Olá Julio.
    Muito bacana esse seu espaço, parabéns!
    Olha, deixa eu te fazer uma pergunta sobre esse lance de puxar o filme.
    Se eu levar em qualquer minilab e deixar claro que é para revelar como asa 800 e não asa 100, tudo bem?
    Os caras colocam na maquina e inicia o mesmo padrão como eu estivesse entregando um filme de asa 800 né?

  6. julio diz:

    Olá André,

    Então, se levar num minilab vai estragar tudo. No minilab todos os filmes de qualquer velocidade ficam o mesmo tempo no quimico, e na mesma temperatura. Quando puxamos o filme, na realidade estamos alterando o tempo e/ou temperatura no quimico pra compensar essa diferença na exposição do filme. E isso só dá pra fazer em revelação normal. E isso só em lab mais profissa que faça manual.

    Enfim, mesmo que fale com o cara do lab, no minilab vai dar na mesma, o filme não será “compensado” e vai ficar muito subexposto e até não sair nada. Procura um lab profissa que faça revelação manual.

    Valeu a visita!

  7. Ana Luísa diz:

    Oi, Julio! :)
    Olha só, eu vi “O menino da porteira” ali em cima e, como eu conheço a cidade de Ouro Fino-MG, queria saber se você é de MG. Se for, onde eu posso encontrar esse “lab profissa” que revela manualmente? :)

    Beijo!

  8. julio diz:

    Oi Ana Luiza, então eu não sou de MG, apesar de curtir muito e ser fã das cidades bacanas (principalmente do sul de minas). Eu não conheço os labs da região, mas sempre vale a pena buscar os labs mais antigos, mais tradicionais daqueles tipos que fazem foto de casamento, books e tem estúdio, pois há grandes chances de o cara ainda saber revelar manualmente.

    Boa sorte na sua busca, e desculpa não ter uma dica mais concreta pra você!

  9. Se no minilab todos os filmes são revelados igual como eles saem diferentes? Se no laboratório profissional eles regulam, porque no minilab não fazem isso e as fotos saem?

  10. julio[dx] diz:

    Então, os filmes saem diferentes por que são diferentes, sabe? Assim: cada filme é feito para enxergar uma “quantidade de luz” específica para ficar bom, seguindo essa padronização de exposição na hora de revelar todos podem passar o mesmo tempo nos químicos e na mesma temperatura.

    Na hora que você expõe o filme a luz mas fora desse padrão, por exemplo usando um filme iso100 com a camera regulada para iso400, sua foto vai sair subexposta, que deixa os tons mais lavados e com pouco constraste. Se você mandar esse filme pro lab normal vai sair assim, digamos errado. Nessas máquinas os filmes passam sempre no tempo padrão e na temperatura padrão, não dá pra “regular” porque são automáticas. Já se mandar no lab que faz manual e se você explicar o que aconteceu pro laboratorista, ele vai compensar isso deixando o filme mais ou menos tempo no químico, de acordo com tabelas ou a experiência dele. Mas é feito na mão, não na máquina automática (Mais ou menos isso). Os filmes, independente do valor do iso são feitos para serem revelados juntos, com tempo e temperaturas padrão.

    Ajudei?

  11. Dona diz:

    ficaram lindas!
    fui ler os comentários, que ajudaram um pouco na minha dúvida antes de escrever. aqui na minha cidade, que eu saiba, só tem esses labs rápidos. nem será vantagem puxar meu proimage pra 400, como eu queria =/ tá cada vez mais difícil ser analógica.

  12. É Dona, se você puxar pra 400 na hora de fotografar vai precisar levar em um lab que faça revelação manual para compensar ou fazer a brincadeira de levar o filme até 800. A latitude do filme vai aguentar e deixar ligeiramente mais lavado se revelar em um lab comum, aí realmente não vale a pena.

  13. felicity diz:

    Qual câmera você usou? Lindas fotos.

  14. A Lomo LC-A de 1985 que tenho aqui, velhinha e detonada, mas ainda firme! Gosto muito das fotos com ela…

  15. Agnaldo diz:

    Que dica bacana, Julio! Acabei de comprar uma Yashica FX-D e tô louco pra testar a técnica! Abraço

O que você acha?

Nome obrigatório

Website